A minha vida era um Livro aberto com as folhas soltas ao vento. De súbito, aos 25 anos de idade, veio um tufão chamado Descolonização! (Silvino Potêncio)
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
O tempo é ouro!... eu agradeço a todos por o dividirem aqui comigo! (Silvino Potêncio)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
              
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal/Brasil   
(desde 1979)

Caros Amigos Visitantes e Leitores, em especial aos meus Conterrâneos!,  Sejam todos benvindos à minha página literária.  Faço o convite também para outros espaços virtuais da minha autoria, aonde eu costumo publicar alguns dos meus textos sejam novos ou antigos e lá poderão pois  encontrar muito mais para ler e conviver.
Isto porque;  
"Se o tempo é ouro, eu vos agradeço por o dividirem  aqui comigo!!!"
*******************
A maioria dos meus Leitores, e muitos dos meus Conterrâneos, pouco ou nada sabem sobre mim, pois já estou na Emigração desde os meus 13 anos de idade quando saí da Aldeia de Caravelas pela primeira vez.
Talvez por isso eu, de vez em quando, divulgo aqui na Minha Página Literária, alguns dos meus escritos (actualmente são apenas algumas poesias e postagens em forma de crônica) em especial os que dizem respeito às minhas origens.
Desde já bem hajam todos pela visita. Espero que gostem!... Um Forte e Fraterno Abraço Transmontano. 

Oh ... Minha Aldeia Transmontana!
Tu tens uma beleza tamanha!...
Que eu trago sempre na lembrança.
Oh Minha Aldeia Transmonta,
Te deixei, eu era ainda uma criança.
Parti e levei sempre comigo!...
N’alma uma tristeza sem fim.
Emigrei!... fui procurar um abrigo,
Mas jamais esqueci o teu Jardim.
Plantada lá está no sopé da Serra,
As vezes branca, toda coberta de neve!...
E dura até ao amanhecer da Primavera,
A saudade que me vem tão de leve...
Desta lonjura do caminho que não finda,
Este olhar da minha Aldeia, que é tão linda!


(in: “Poesias Soltas” de Silvino Potêncio)
 
Aprender a viver não é esperar a tempestade passar e sim aprender a dançar na chuva!(Silvino Potêncio) ***** Quando um homem velho morre, enterramos não só um livro mas uma biblioteca individual completa. (Silvino Potêncio) ***** Renunciar às nossas origens, é perder o Futuro que Deus nos dará de Presente! (Silvino Potêncio ***** Por alegoria ideológica nós costumamos dizer que os cogumelos (ou Nizcaros) SÃO COMO OS POLITICOS; quando não são bem escolhidos, eles matam!...e os bons duram pouco! (Silvino Potêncio) ***** Há pessoas que são alegres por natureza, outras forçam a natureza para lhes dar alegria! Deste ultimo grupo nascem os Pateta-Alegres" (Silvino Potêncio) ***** - Mais fácil se torna distribuir as nossas conquistas do que compartilhar as nossas desgraças!... (Silvino Potêncio) *****
Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Textos da Minha Autoria podem ser EVENTUALMENTE transcritos pelos Leitores, e/ou outros Autores interessados na sua divulgação, desde que observadas as Regras dos Direitos Autorais, incluindo o crédito respectivo! - Os originais desses textos devem ser solicitados por escrito, pelos interessados, diretamente ao Autor via email: sspotencio@yahoo.com.br e com a devida indicação e endereço de email do Remetente - Leitor interessado. Muito Obrigado pela visita e voltem sempre! Silvino Potêncio Emigrante Transmontano em Natal/Brasil