Corrigir os nossos erros do passado, é meio caminho andado para o sucesso de cada nova obra em construção. (Silvino Dos Santos Potêncio)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
           

Caros Amigos Visitantes e Leitores, em especial aos meus Conterrâneos!,  Sejam todos benvindos à minha página literária. Vale lembrar o provérbio popular que diz;   "Se o tempo é ouro, eu vos agradeço por dividirem o vosso aqui comigo!!!"
***** A maioria dos meus Leitores, e muitos dos meus Conterrâneos, pouco ou nada sabem sobre mim, pois já estou na Emigração desde os meus 13 anos de idade quando saí da Aldeia de Caravelas pela primeira vez.
Talvez por isso eu divulgo aqui na Minha Página Literária, alguns dos meus escritos; poesias e postagens em forma de crônica, em especial os que dizem respeito às minhas origens Transmontanas.
Desde já bem hajam todos pela visita. Espero que gostem!...

A Dor de Um Retornado!...
 
Uma lágrima de dor,
Um suspiro de pouco amor,
- Uma nuvem ao sol-pôr,
- num oceano vermelho-rubro, de estertor!
 
Um sentimento de puro abandono,
Qual andorinha no sono,
Desta primavera já sem dono,
- Sem inverno, sem verão e sem outono.

Uma lágrima de dor e de saudade,
Um soluço não contido por maldade,
- Desta vã caminhada em tenra idade,
- Na esperança de uma última vontade.

Se me escapa já por muito desalinho,
Da postura inconformada sem carinho,
- Da minha alma que se vai devagarinho.
- Contra o vento da quebrada do caminho!

Uma lágrima no rosto que padece,
Qual folha solta desta cepa que envelhece.
- Feito tronco de castanho que anoitece,
- Na ramada tão sem flor, que o frio nela desce.

Uma lágrima de dor!
Desta primavera já sem cor,
Um soluço não contido ao sol-pôr,
- Uma lembrança tão distante desse amor!
- Da minha alma, ela se afasta num vapor.

Essa dor, essa lágrima, essa flor. 
Por lá ficou adormecida,
Não desceu pelo meu rosto já nublado,
Desta dor de ter saudade à despedida.
Que já pressinto estar aqui, bem a meu lado.

Uma dor, Uma nuvem, Uma lágrima,
- no oceano deste Amor tão mal-tratado!
Mais um sonho que se apaga amortalhado.

Autor: Silvino Potencio (in Poesias Soltas)
Lisboa: Out/1979

Publicado em www.silvinopotencio.net 
******************
Um forte Abraço a todos os leitores e Amigos sejam eles conterrâneos ou não!... e bem hajam pela visita, voltem sempre.
Silvino Dos Santos Potêncio
Emigrante Transmontano em Natal/Brasil
A genialidade é inimiga directa da publicidade, e prima carnal da vaidade esvoaçante do ser humano que não pensa!, aquele que apenas vive exdruxulamente ao sabor da corrente que o leva em direcção ao nada do infinito terreno! ******** A dignidade do homem público se vê pelas atitudes,e não pelo discurso barato que ele faz aos seus eleitores! ******** Aprender a viver não é esperar a tempestade passar e sim aprender a dançar na chuva!. ********* Aquilo que ontem era uma utopia, amanhã, por certo, será uma realidade, ainda que virtual. ******** Cada Poeta é um MUNDO, cada Leitor um visitante. A nossa passagem pela vida é apenas uma fase mutante! ******* Nenhuma alteração no comportamento humano é fácil; alimentar, educar, disciplinar, administrar, orientar, governar e convencer, nada!, nada no ser humano se muda da noite p?ro dia! Autor: Silvino Dos Santos Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal/Brasil