A cultura de um POVO não pode, não deve NUNCA, se submeter a ideologias politicas ou partidárias muito menos financeiras ou económicas pois que; inspiração ou intelecto não se compra nem se se vende! É como o amor, já vem do berço!... (Silvino Potêncio)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
           

Caros Amigos Visitantes e Leitores, em especial aos meus Conterrâneos!,  Sejam todos benvindos à minha página literária. Vale lembrar o provérbio popular que diz;   "Se o tempo é ouro, eu vos agradeço por dividirem o vosso aqui comigo!!!"
***** A maioria dos meus Leitores, e muitos dos meus Conterrâneos, pouco ou nada sabem sobre mim, pois já estou na Emigração desde os meus 13 anos de idade quando saí da Aldeia de Caravelas pela primeira vez. Talvez por isso eu divulgo aqui nesta Minha Página Literária, alguns dos meus escritos. São diversos textos  que dizem respeito às minhas origens Transmontanas alguns deles já publicados em livro. Desde já, bem hajam todos pela visita. E eu espero que gostem!

Um Fado de volta ao Mar!...

Tenho saudades de tudo, 
E até de tanto Mar que eu ali vi. 
Um dia mais tarde fiquei mudo,
Comecei a navegar nas mágoas que senti.  
Das velas do Mar da Palha,
Eu vejo a Barra de São Julião.
A lágrima no meu rosto se espalha,
E assim chora o meu Coração!  
Dia e noite... noite e dia,
Há tantos anos eu aqui cheguei.
Santa Apolónia ainda amanhecia
Ao escutar o quanto eu ali chorei.  
Pequenino e a soluçar acabrunhado,
Senti-me só e apenas um simples Infante.
Saí de casa só, no dia retrasado,
E assim me fizeram Emigrante!  
Nas Velas do Mar da Palha,
Eu parti rumo à Barra do Rio Tejo.
Depois de rezar a quem nos valha,
E nos traga a alegria que não vejo!  
Neste povo de aventuras e glórias mil,
Onde os homens ao mar se fizeram,
Fui em busca da liberdade daquele Abril. 
Mas, os “deuses” da política não quiseram,
Me trazer a liberdade de cantar
O meu fado de volta ao mar... 

(in: “POESIAS SOLTAS” De: Silvino Potêncio – Emigrante Transmontano em Natal )


 
A genialidade é inimiga directa da publicidade, e prima carnal da vaidade esvoaçante do ser humano que não pensa!, aquele que apenas vive exdruxulamente ao sabor da corrente que o leva em direcção ao nada do infinito terreno! ******** A dignidade do homem público se vê pelas atitudes,e não pelo discurso barato que ele faz aos seus eleitores! ******** Aprender a viver não é esperar a tempestade passar e sim aprender a dançar na chuva!. ********* Aquilo que ontem era uma utopia, amanhã, por certo, será uma realidade, ainda que virtual. ******** Cada Poeta é um MUNDO, cada Leitor um visitante. A nossa passagem pela vida é apenas uma fase mutante! ******* Nenhuma alteração no comportamento humano é fácil; alimentar, educar, disciplinar, administrar, orientar, governar e convencer, nada!, nada no ser humano se muda da noite p?ro dia! Autor: Silvino Dos Santos Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal/Brasil