As Rimas do meu versejar são veredas por onde vagueia a esmo a poesia, sem rumo, sem norte, cujo azimute é apenas um mote! (Silvino Potêncio)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos
Título Categoria Data Leituras
Página 016 - Poema de Abertura... Quem eu sou Poesias > Dedicatórias 27/11/15 67
Alegorias ao Carnaval Luso Brasileiro Poesias > Dedicatórias 14/02/12 54
O Amor da Minha Mãe!... Poesias > Dedicatórias 07/05/11 197