As Rimas do meu versejar são veredas por onde vagueia a esmo a poesia, sem rumo, sem norte, cujo azimute é apenas um mote! (Silvino Potêncio)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos
Título Categoria Data Leituras
A geração à rasca Cartas 29/01/17 117
Trovas Comentadas do Meu Livro "Curriças de Caravelas" Trovas 20/01/17 57
Fomos Cantar as Janeiras... Poesias > Regionais 06/01/17 191
Página 053 - Eu vi um Raiar do Astro Rei... Poesias > Pensamentos 27/12/16 32
Memórias de um RETORNADO Poesias > Social 26/12/16 239
Nenhuma estrada é recta para o sucesso!... Pensamentos 15/12/16 26
Por aqueles que da Lei da Morte se foram Libertando... Homenagens 24/11/16 97
Eu fui conversar com o Poeta em Pessoa!... Poesias > Recordações 29/10/16 38
Lembranças do Poeta Zé Saldanha... Poesias > Recordações 17/10/16 40
Um Soneto ao Vale do Rio Tua... Artigos > Ecologia 13/10/16 47
A Glória de um Traidor!... Poesias > Patrióticas 05/10/16 208
Uma Visita do Escambau!... Edição IV Poesias > Humor 01/09/16 40
Uma Caçada aos GET - Gambuzinos Extra Terrestres! Humor 27/07/16 23
Os "Bicos" de Caravelas Trovas 17/07/16 71
Uma Estrela Subiu ao Jardim do Éden Homenagens 12/07/16 39
Vamos conversar em Mirandês!... Teoria Literária 04/06/16 208
Dar de comer ao "Réco"... Artigos 02/06/16 23
Café de Angola... Poesias > Recordações 25/05/16 278
As Minhas Cartas Literárias Cartas 21/05/16 38
Estou cansado!... Cartas 18/05/16 138
Página 7 de 25 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]