Se recordar é viver, então recordemos! --- Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores tristes de um passado já distante!
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos

O MAR DE OEIRAS...
De: S.S. Potêncio,
http://www.joaquimevonio.com/espaco/silvino_potencio/silvino.htm

O MAR DE OEIRAS!...

Oeiras, Oeiras!... Carcavelos à vista,
Sou contrabandista, desta imensa lista de Amigos Virtuais.
Saí de Lisboa... dei voltas à toa, e parei em Cascais...

Fui lá no Inferno da boca do mar...
Avistei a Barra de São Julião onde até o meu coração
Desejou voltar, para ver e amar!

Em mais um terceto deste meu soneto,
De rimas sem mote, porque o nosso bote viaja sem leme.
Sem rumo sem força, desta nossa mossa que doi e não teme.

Não marca nem mancha, o dom desta prancha...
Que eu levo p´ro mar, pois vou navegar...
No mundo dos sonhos, que é o meu cantar!

E lá no Estoril, do Monte ao barril,
Se faz o teu néctar, da flor dos encantos,
De gritos e prantos deste azul anil...te deixo em prantos.

Que no final da tarde, por dentro e por fora...
Me queimam no peito, e por este jeito, eu já vou embora!!!
Deste mar de Oeiras... vou... sem eira, nem beira!

Silvino Potencio (Poesias Soltas - verão de 1990)
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 06/09/2010


Comentários