Se recordar é viver, então recordemos! --- Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores tristes de um passado já distante!
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos


O FADO DO C.C.C.P!...


          " Silvêncio Retornado "
Ex Combatente, Ex Retornado Angolano, Ex Pulso do Gueto Aulgarveschwitz, Ex Dachau, Ex Comungado do I.A.R.N., Ex Residente no Recto(ângulo) Ibérico, Eis Criba Avulso e a Granel...
************
Em virtude do bloqueio do meu Blog que se mantém desde que o Portal Portugalmail.pt assumiu a adminstração do Blog.com em Maio de 2016) eu tenho extraído alguns textos do meu Livro "Os Gambuzinos" que é homônimo do Blog, e em homenagem póstuma ao Grande
José Maria Viana Dionísio , (Zé Viana) um Pintor e Artista do Teatro de Revista e Televisão Luz & Tana, bem conhecido naquela época, eu deixo-vos aqui um glosário do meu Fado Lisboeta dos anos 60-70 do Século XX, ao qual eu chamo de: "século vin-te... buscar para irmos para o meio de coisissima nenhuma!" - Que foi tudo o que me restou do Quinto Império Lusitano!... por mim imaginado quando eu entrei na Emigração na Estação de Santa Apolônia. 

O Fado do C.C.C.P.
(por: "Silvêncio Retornado")
Quando eu era rapazote,
Eu emigrei lá do Norte...
P’ra esta “Lisbia” tão Garrida!!!
- E logo que aqui “xiguei” por ela me apaixonei...
P’ró resto da minha vida.

Sou emigrante...do Portugal tão distante,
Pequeno berço do “pobo”...
E então ao emigrar, na estranja eu fui parar!!!
- E logo que lá “xiguei” retornado me formei...
P’ra nunca mais lá voltar.

Às vezes numa pessoa,
Quando ela chega a Lisboa...
E entra p’ra emigração!!!
- Perde logo a esp’rança, e para encher a pança,
Faz do Fado uma Canção.

Certo dia na estação,
Comecei eu esta lição...
De amor a Portugal!!!
- Ali em Santa Apolônia, disse a Deus vou p’ra colônia,
P’ra crescer e ser normal.

(estribilho)
Sou emigrante...do Portugal tão distante,
Pequeno berço do “pobo”...
E então ao emigrar, na estranja eu fui parar!!!
Desde cedo... muito “nobo”.

- E logo que lá “xiguei” retornado me formei...
P’ra nunca mais lá voltar.

Todos moram numa terra,
Seja em paz ou seja em guerra...
Que chamam de “santa terrinha”...
- Eu moro na emigração, que me deu esta nação,
Tanto é tua como é minha.

(estribilho)
Sou emigrante...do Portugal tão distante,
Pequeno berço do “pobo”...
E então ao emigrar, na estranja eu fui parar!!!
Desde cedo... muito “nobo”,
“RETORNADO” eu voltei... a este Portugal de “nobo”!...
(in: ”Poesias soltas” de Silvino Potêncio)

++++

​Ainda para recordar tais lembranças em ritmo de "glosação" (não confundir com gozação por favor!...) eu acrescento aqui um resumo da entrevista na época do retorno a Lisboa cerca de 15 anos depois, imaginada e divulgada virtualmente no Portal CEN = Cá Estamos Nós, do Saudoso Amigo Dr Carlos Leite Ribeiro...
- Entrevista ao fadista “Silvêncio Retornado”  pela eis celente “Ardina” (*)... a Ti Maria da Saudade do Bairro Alto, da Mouraria  e da Madre...agoa;

Ardina: - voismecê canta a dor da saudade de forma totalmente diferente, e até nos traz uma certa ansiedade em voltar às coisas do passado, porquê... hein, hein???
SR: antes de mais nada, eu quero agradecer pela sua deferência em me vir a entrevistar aqui em pessoa, cá no meu camarim de escritor de fados portugueses, que – como imagino que o sabe – é a única canção totalmente luz & tana de nascença. Há muitos séculos que se sabe que a saudade é um sentimento só dos Portugueses... os outros seres humanos nunca sentem saudades!... só os Portugueses, porque a palavra “saudade” só existe na língua Portuguesa, e isso nós temos em demasia, por isso temos que nos orgulhar muito disso...
Ardina: - voismecê quer dizer que os Portugueses na emigração, são mais saudosos do que os Portugueses que nunca foram para a emigração!?...
SR: - antes de mais nada, eu gostaria de lhe afirmar que os emigrantes Portugueses não gostam de ser ”saudosos” porque esse é um estatuto que se dá a quem já morreu de saudades!!!,... e nós os emigrantes ainda vivos, felizmente antes de morrer, somos todos “retornados” porque, ao voltar à “santa terrinha”... depois de tantos anos fora, a grande maioria nem sequer as mata, morre com elas!... e eu até recentemente lhe dei um título genérico que é um verso meu... de “fique são”, antes de morrer saudável em Portugal...
Ardina: - muito bem!...e voismecê agora me diga cá, como é que consegue escrever estas letras de fado modernas, feitas com um sentimento tão antigo?... é que, pelo seu cu riculum, nós sabemos que “voismecê” foi da MP (Malta Portuguesa) que viveu a juventude no tempo do Estado Novo...
SR: - antes de mais nada, volto a dizer-lhe que como emigrante retornado eu não sou de cá... só vim cá ao Cu liseu fazer esta apresentação e depois volto p’ra emigração... olhe!... até rima, carago!... E, sobre o meu Cu riculum, olhe me desculpe a ousadia mas pode ter certeza de que nunca ninguém o leu por completo, logo eu acho que a sua pergunta é um tanto ou quanto “fá ke siosa” e por isso eu peço-lhe que restrinja a sua entrevista apenas a esta parte do corpo que temos na cara... olho no olho, é uma verdadeira “entre a vista” e não no olho do Cu riculum do “entre a vistado” que neste caso sou eu mesmo em Pessoa!...
Ardina: - sim...sim... está bem... mas, “voismecê” me desculpe,... mas é que eu estou aqui tão empolgada com a sua história de vida emigrante, que até já me entusiasmei e gostaria de o convidar para uma outra “entre a vista” mas não aqui no camarim do Cu liseu... e sim lá no estúdio do Lu Miar...
O que é que o “voismecê” me diz?...
SR: - antes de mais nada,...
Ardina:... peraíiiiii óoooo páaaa!!!!... toda a vez que “voismecê” responde a qualquer pergunta, começa sempre com essa lenga-lenga do “antes de mais nada”?....não sabe dizer mais nada além de cantar o fado emigrante?
SR: - antes de mais nada, eu lhe digo que muito antes de ser fadista e ser emigrante, é preciso ser humorista, optimista e... acima de tudo, estar preparado para nada pedir à vida!, e sim roubar dela tudo o que pudermos enquanto estivermos cá!

- interrompemos aqui a entrevista para escrever uma crônica de apoio ao Candidato Conselheiro de Caravelas Portuguesas

(*) “ARDINA” é a profissão de vendedor de jornais, revistas, e publicações gráficas, que no tempo do inicio da vida emigrante do autor o ajudou a suportar a dor de estar em terra alheia, sem ninguém conhecido!...
Recebam um grande e fraterno abraço!
Portugal é Eterno!... e nunca se diga Adeus para sempre!
Silvino Potêncio, Emigrante Transmontano!
O Home de Caravelas – Mirandela

Original Publicado em http://osgambuzinos.blog.com
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 07/09/2010
Alterado em 09/10/2018
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários