O tempo é ouro!... e por isso eu agradeço a todos, Amigos e Leitores, por dividirem o vosso aqui comigo. E acrescento um pensamento do meu Livro - O ouro é como o amor; mata quem o guarda e vivifica quem o dá. (Gibran Khalil Gibran)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos



Os "Tinhosos" do ROSSIO!...

De: Silvino Potêncio

Dos muitos apelidos que recebemos no periodo pós 25 de Abril - alguns infelizmente criados até em jeito de gozação irónica onde se situava a classe social Portuguesa da Praça Luz & Tana como sendo constituída por APENAS TRÊS TIPOS DE PORTUGUESES : Retornados, Emigrantes e "Domésticos"... cada um que por lá passou em finais de 1975 principalmente na Baixa Lisboeta, lá saberá em que classe ele se encontrava!...

Posto isto deixo-vos aqui um poema daquele tempo para homenagear outra sub-classe de Retornados:

A minha Ode aos "Tinhosos" do Rossio!!!

No Rossio ou Mouraria,
Em toda a esquina existia!
Um grupo de Retornados.
Era um disse que "tinha" tão grande...
Que da Baixa ao Campo Grande
Ali só se viam "tinhosos"!...

Passei de frente ao Saldanha,
E a raiva era tamanha...
Que a gente corria encilhada,
Já prontos para ir a galope
P'ra cima daquele torpe
Politico dos mais rançosos!

Coça daqui e dali,
Semanas e meses eu vivi!
Em busca de algum sustento
Lá fomos para o Gueto Algarvio!
Tal qual sardinha enlatada por um fio,
Uns por isto, outros por nada...

Do IARN à palhaçada,
Dos Acordos do Alvor não sobrou nada!
Nem fruto nem dignidade...
Portugal envaidecido na Sorbonne Leiloado
- E por ter uma Guerra Perdido
Ali foi todo vendido ao capital estrangeiro.

Quem deu mais foi o primeiro,
A zarpar p'ro estrangeiro...
Em cima da fama assentado,
Ufano de voltar ao lar
P'ra todo o Povo enganar
Foi ele... o Bush Echas tão lampeiro

A enriquecer tão arteiro,
A praticar o "Escambau"
Que do Minho até Macau,
Açambarcou o que pode
Feito Lobo em pele de BODE!...
E assim quem tanto tinha, ...
Hoje nada tem, ali definha!

(In; Poesias Soltas - Lisboa/Nov.1975)

Autor:Silvino Potêncio

 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 07/12/2010
Alterado em 08/02/2017
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários