Se recordar é viver, então recordemos! --- Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores tristes de um passado já distante!
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos


De: Silbino Poténcio  >>> La Lengua  de todos nós 

La lengua de todos nós,
Ye cunfusa i trabalhosa
De ls bersos de ls mius abós,
You solo me lembro de la bielha prosa!
 
Eilha ten tantos seneficados
Qu'até se anrola ne ls dientes,
San frases cun predicados,
I quelores de lábios ardientes!
 
Fala-me eiqui de la tua boca,
Porque assi tenes rábia de mi?...
You sou la tua melhor toca,
P'ra me sconder neste jardin!
 
Bé bien qu'até las rosas me falan,
Quando las uso para t'agradar.
L perfume qu'eilhas salan,
Anspiran bersos d'ambalar!
 
Mie Léngua ye mie pátria,
Cumo ansinou l Mestre an Pessona,
De la pena you te fago ua sátira,
I de la léngua ua cançon entoa!
 
Se a screbo bien ó mal,
Esso a mi pouco me amporta,
Nun sou lírico nin jogral
Para te benir cantar a la puorta!

(In: Poesies Soltas - Febreiro 2011)
Outor: Silbino poténcio - Eimigrante Strasmuntano an Natal/Brasil

                            
A Língua de todos nós!... (original em Português desacordado!)
 
De: Silvino Potêncio   >>> A Lingua  de todos nós
 
A lingua de todos nós,
É confusa e trabalhosa
Dos versos dos meus avós,
Eu só me lembro da velha prosa!
 
Ela tem tantos significados
Que até se enrola nos dentes,
São frases com predicados,
E cores de lábios ardentes!
 
Fala-me aqui da tua boca,
Porque assim tens raiva de mim?...
Eu sou a tua melhor toca,
P'ra me esconder neste jardim!
 
Vê bem que até as rosas me falam,
Quando as uso para te agradar.
O perfume que elas exalam,
Inspiram versos de embalar!
 
Minha Língua é minha pátria,
Como ensinou o Mestre em Pessoa,
Da pena eu te faço uma sátira,
E da língua uma canção entoa!
 
Se a escrevo bem ou mal,
Isso a mim pouco me importa,
Não sou lírico nem jogral
Para te vir cantar à porta!
 
(In: Poesias Soltas - Fevereiro 2011)

Autor: Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal/Brasil
www.silvinopotencio.net



 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 13/06/2014
Alterado em 02/06/2015
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários