Se recordar é viver, então recordemos! --- Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores tristes de um passado já distante!
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos




De: Silvino Potêncio << Olho e vejo...>> (007)

Olho e vejo mas não alcanço,
Choro e rezo mas já não tenho perdão.
Imploro, mas não ouço as minhas preces!,
Escuto as sentenças que em balanço,
Vão medindo os pecados desde então...
Subindo vai meu corpo enquanto eu desço.

Entreguei minha pureza a “satanás” ,
Descobri que meu sentir estava turvo,
Como as águas do oceano mais profundo.
  Revoltas pelos crimes vindos de trás,
  Dos tempos em que eu andei no mundo,
  Fazendo peso d’alma... a quem eu já me curvo!

Fui mau em ter vivido sem um dote,
 Esquecendo ensinamentos dos mais velhos.
  Voltei-me p’ró diabo como amigo,
   Pedi-lhe que me désse o seu archote,
    Com ele queimei todos os conselhos...
      E agora já não passo de um mendigo!

Se ainda encontrar algum motivo,
Não quero ter de novo que enfrentar,
A justiça do amor e humanidade;
Que importa, pois se eu já não sou vivo!?...
- Voltar!?... para mim é naufragar.
- Seguir!?... é minha única vontade.

(in: "EU, O PENSAMENTO, A RIMA!..." - LUANDA/1971) 

 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 18/01/2015
Alterado em 10/12/2015
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários