O tempo é ouro!... e por isso eu agradeço a todos, Amigos e Leitores, por dividirem o vosso aqui comigo. E acrescento um pensamento do meu Livro - O ouro é como o amor; mata quem o guarda e vivifica quem o dá. (Gibran Khalil Gibran)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos


         

Esta minha Crônica originária do Blog " ® OS NÏZCAROS! " - ela teve o título original  de "O Silva e o Sá Dão Esseain" inspirado na Guerra do Iraque e foi publicada no meu Blog "OS NÏZCAROS", como uma metáfora da crítica política montado pelo Governo Americano ao então chamado Ditador "
Saddam Hussein Abd al-Majid al-Tikriti
". contudo,  últimamente tenho algumas dificuldades para revisar estes textos dos meus 3 Blogs bloqueados pelo Portal Portugalmail.pt. E esta dificuldade começou a partir de Maio de 2016 quando me foi dito que o Portugalmail.pt passou a ser o administrador do blog.com.pt. Evidentemente fiquei extremamente chateado por jamais ter recebido qualquer resposta do Portugalmail.pt apesar das várias mensagens enviadas neste sentido - inclusivamente cheguei até a abrir uma conta de email específica para o efeito porque o meu projecto seria manter o Blog e Editar um livro com este título homônimo "OS NÏZCAROS"  mas... voltemos para o tema desta crônica;
  

Citação ideológica;... Todas as coisas são possíveis àquele que crê. (Marcos 11.23)
 
--- estava eu muito crente, à procura de uma das minhas "estórias de caixeiro viajante",  quando me deparei com uma hipotética declaração de guerra à hipocrisia que me assolava naquela época... iii ... aatãon bamos lá; 

Um Crônica de;  Silvino Potêncio, Emigrante Transmontano em Natal/Brasil! - Fevereiro de 2006... 
Os senhores da guerra e dos aneis com pedra de Rubi, (não confundir com o famigerado Jack T'achas  Rubi lá em Dallas), os então donos das Luas que jamais foram herdados de "saturno" porque não gravitam nada mais além do que o simples circuito domingueiro de final de tarde pelo bairro da lata, onde todos jogam o que não presta, e ninguém esquece qualquer centelha de vida inteligente que ali surja, eles resolveram obedecer ao absurdo trovão da multidão de desinformados das coisas de Estado.
- Nos mais escondidos recantos da terra global e da "santa terrinha" especificamente,  se ouvia falar de que estava eminente o ineveitável.
-  A inexorável leveza de sentimentos em relação ao desproporcional bélico entre um império e um pseudo imperador era gritante.
- O vencedor já havia perdido a esperança de luta, e por isso, era necessário inventar algo novo, inacreditável!,... qualquer coisa que justificasse as promessas feitas para iniciar o espectáculo préviamente anunciado como a primeira guerra do século! - Algo que realmente chamasse a atenção de todos. 
-  E assim, como que num retrocesso ao passado medieval de divertimento publico a granel e repentista,  surgiu quase de repente a solução para a saída do marasmo administrativo que se vivia na corte.
- O tinha por alcunha o nome de Dão por ser natural de lá e gostar muito do "tintol" que por lá se produz,  e era tido como um tremendo aldrabão que se fartavam de contar estórias da carochinha. - (Popularmente chamado na terra do carnaval como "papo para boi dormir"!). 
- Nos tempos de escola ele andavam sempre a fazer novos experimentos e assim desenvolvia a quimica da mentira bem contada, que no final todos crêem, e queriam - que fosse a mais pura verdade, até que um dia recebeu um telefonema do "Silva".
- Este por sua vez, era um sujeito extremamente bem equilibrado!
Cidadão bem apessoado, vestia com a máxima elegância e com a minima sem-cerimônia de entrar nos palácios que ele conhecia por dentro e por fora.
- Ora bem!,... vejamos o tal telefonema acontecido na ante-vespera da última chance que se tinha dado à queima-roupa ao tal do  "Sá Dão"... de apelido Esseaim!... o maior bicho papão que as criancinhas,  na sua ingenuidade e inocência política infantil,  achavam que era um homem mau e até perguntavam; qual Sá Dão é hein?!... 
É um tal de Esse...ain - dizia os Gringos!... ?
- é!, é esse aim sim dizia o Silva Portuga  com um sotaque saloio bem carregado.  
- Vamos então a dar uma escutadela no tal telefonema:
>>>> 
O Sá Dão Esseaim estava sentado no seu escritório bem no topo do  mezanino da sua fábrica de produtos químicos, por sinal quase falida por falta de comercialização do "pitroil" que só podia ser trocado por comida, e por isso ela (a Fábrica) estava já para lá de Bagdad, pensando em quem iria ele invadir a seguir quando tocou o telefone!....
Está lá!? ... é o Senhor Sá Dão Esseain ??? 
- Perguntou uma voz com sotaque meio-galego, meio-algarvio bem carregado a puxar para as terras do Dourado sol sempre omnipresente.
- Este Alá!,  esteja contigo também irmão!...
- disse o Sá Dão Esseain.
Aqui é o Silva!, ... e eu estou no condado de Cavacolândia, ao sul da Ir landia do Norte de Portugalk e Trás Os Montes e Alto Douro.
...'Tou lhe chamando aqui para lhe informar oficialmente que vamos declarar guerra a voismecê!,... poder ser  Oh Sr Sá Dão Esseain ???
- Bom,... Oh Silva  "respondeu o Sá Dão Esseain ". Isto são mesmo notícias importantes.
Diga-me cá...  qual é o tamanho do seu exército?
Neste momento...  ainda na activa , disse o Silva;  - depois de um momento para calcular;
"...aqui temos eu mesmo, o meu primo Campino do Ribatejo, o meu vizinho Guarda a Gaita Republicana, e a Turma toda do joguinho da "Sueca"  lá na esquina da taverna ali no Bairro Alto!  
- faz um total de oito ou quase oitenta!!!
  O Sá Dão Esseain  suspirou ! ...
Tenho que lhe falar ó Silva,  que eu tenho um milhão de homens em armas para obedecer ao meu comando!
 
"Pô, meu!..." disse o Silva,... tenho que lhe chamar de novo!. - - - Te ligo amanhã, cara!...
  Muito mais seguro no dia seguinte,  o Silva chamou de volta.
Tá certo Sr Sá Dão Esseain , a guerra continua mantida.
- Nós fizemos aqui uma reunião, e nos colectamos aqui com uma "vaquinha" para comprar uns equipamentos.
- E estamos prontos!, caragooooo...
...E quais são esses equipamentos? ( Perguntou o Sá Dão Esseain )
" Bem... nós temos uma Tremonzela para dar umas boas pauladas nos cornos ao inimigo, um arado e uma charrua com a relha já gasta mas ainda lavra bem, mas mais moderno mesmo temos duas colheitadeiras, um buldozer e um trator tipo Murpys lá da fazenda! "
... mais uma vez Sá Dão Esseaim  suspirou e disse.;
 "Tenho que lhe dizer ó Sr Silva,  que eu tenho 16.000 tanques, 14.000 veículos armados e transporte de tropas, e o meu exército subiu agora para 1 milhão e meio de homens desde a ultima vez que nos falámos pelo telefonema anterior"!
-"É mesmo, páaaaaa?!.." exclamou o Silva!. 
-  Ó pá!,...  tenho que te ligar de novo amanhã.
O Silva ligou de novo no dia seguinte.
....Tá certo Sr Sá Dão Esseain!!! , a guerra está de pé. Nós conseguimos arranjar umas passagens aéreas para nós. Modificámos o ultra leve do Cupiloto,  com umas escopetas no cokpit... e a turma dos "debaixo da ponte do home de Santa Comba... (Dão tudo de graça)" se juntou a nós também. - Vamos p'ra guerra!
 -  O Sr Sá Dão Esseaim  ficou silencioso por um minuto, depois resmungou!
... Eu tenho que te falar ó Silva que eu tenho agora 10.000 bombardeiros, 20.000 caças Migs,  19 aviões de combate... iii mais; 
... O Meu complexo militar é rodeado de misseis terra ar,  guiados por lazer, e desde a nossa última conversa o meu exército subiu para 2 milhões de homens armados até aos dentes, recauchutados por "Dentistas Brasileiros" que são uns craques ainda melhores do que no futebol de campo.
 - "Pôooo... caramba!" disse o Silva.
- Mais uma vez tenho que te ligar amanhã de volta!.
Com toda a certeza no dia seguinte o Silva ligou de volta .
- "Certo!,  Oh Sá Dão Esseain..."olha, eu lamento muito lhe dizer que infelizmente nós precisamos cancelar a guerra. 
"Que pena ouvir isso, páaaa!" ....disse o Sá Dão Esseain!.
" Porquê essa mudança assim tão súbita?
- "Bem..." disse o Silva Portuga Cavaco da Silva;  nós batemos aqui um papo entre a nossa turma e depois de consultar bem o Ti Zé Pô... Vinho, olha nós  concluimos que não teríamos de jeito maneira, nenhuma condição para receber em Portugal e para alimentar mais esses 2 milhões de prisioneiros na forma de "Retornados"!...
Além do mais fui ler a história e ela me disse que o Cristo só voltou trinta anos depois! da Guerra Santa. --- Pô Meu...  é muito mais tempo do que levou o Conde de Monte Cristo para voltar à Santa Terrinha lá em Portugal de Trás Os Montes e Alto Douro.  
Silvino Potêncio/Emigrante Transmontano em Natal-Brasil.  
(original  script in: "Estórias de Um Caixeiro Viajante"!)
Notas de Rodapé: 
O blog original "OS NÏZCAROS" está for do ar e,  por causa disso, eu vos trago aqui para esta minha página Literária, de vez em quando, alguns desses textos da minha autoria. (vale lembrar que os 3 blogs da minha autoria - os nïzcaros + os gambuzinos + zébico.blog.com - foram mais tarde reunidos na minha conta no google, porém e talvez por azelhice da minha parte jamais os recuperei na sua originalidade)! 

Uma outra característica das minhas crônicas são as citações filosóficas ou simples frases ideológicas que direcionam o leitor ao teatro das operações onde se desenrolará a ação ou ficção! em cada texto meu. Nesta crônica aqui eu cito um dos poucos textos biblicos que mexe com a FÉ de cada um de nós. E irónicamente o resultado final mostra a desastrada atitude de chefes de Estado em busca da popularidade para se manterem na crista da  onda e, em surdina foram angariando as suas fortunas pessoais directas e indirectas como uma forma escandalosa de abuso do poder de influencia politica, económica e social de quem os elegeu de BOA FÉ. 
 


 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 14/04/2015
Alterado em 19/02/2019
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários