A eternidade de cada texto ou até um livro, é a sequente futura ação do escritor que abriu o cenário com apenas uma letra. Por isso vos digo que a minha vida era um Livro aberto com as folhas soltas ao vento. De súbito, e não mais que de repente, aos 25 anos de idade, veio um tufão chamado Descolonização!... (Silvino Dos Santos Potêncio)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos




           Rey Dom Sebastião 
 


De: Silvino Potêncio (Emigrante Transmontano em Natal-Brasil)
Já quase no final da sua Genial Obra "OS LUSIADAS", O Emigrante Luiz Vaz Camões, que tinha sido Desterrado, por Ofensas de Amor a Dona Maria, Irmã do Rey Dom Manuel Primeiro, muitos anos depois ele foi encontrado por amigos abandonado numa Praia em Moçambique.
E, por não ter dinheiro para voltar a PORTUGAL,  estes o ajudaram e com a ajuda desses Amigos verdadeiros ao chegar a Portugal ele completou o Livro em 1572.
Hoje senti esta vontade de o recordar e ... lá vai; 
Aqui  vos trago uma leitura do Canto X onde ele nos deixou esta estrofe:

Nô mais, Musa, nô mais, que a Lira tenho
Destempera...da e a voz enrouquecida,
E não do canto, mas de ver que venho
Cantar a gente surda e endurecida.
O favor com que mais se acende o engenho
Não no dá a pátria, não, que está metida
No gosto da cobiça e na rudeza
Düa austera, apagada e vil tristeza.
---
Traduzindo para a linguagem de hoje 435 anos depois!

 
Não quero mais Musa, Não mais porque já tenho
A Lira destemperada, e a voz enrouquecida,
E não é do que canto, mas de ver que eu venho
Aqui cantar para gente surda e endurecida.
O pagamento com que mais se mantém o engenho,
Não é a Pátria que o dá, não!, porque ela está metida
No gosto pela cobiça e na rudeza
DUMA AUSTERA APAGADA E VIL TRISTEZA!


10 DE JUNHO!
DIA DE LUIS VAZ DE CAMÕES + DIA DA LINGUA PORTUGUESA + DIA DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS + DIA DA RAÇA LUSITANA + DIA DE PORTUGAL
==========
​Estrofe numero 9 do Canto I dos LUSIADAS  (onde o poeta evoca os poderes do Rei de Portugal em meados do Século XVI, e mostra a Sua Majestade as qualidades do POVO DE PORTUGAL - TODOS! MILITARES CIVIS DE TODAS AS ORIGENS SOCIAIS )

​============

Vereis amor da pátria, não movido
De prémio vil, mas alto e quase eterno:
Que não é prémio vil ser conhecido
Por um pregão do ninho meu paterno.
Ouvi: vereis o nome engrandecido
Daqueles de quem sois senhor superno,
E julgareis qual é mais excelente,
Se ser do mundo Rei, se de tal gente.
=====

se atendermos à evolução natural da Lingua Portuguesa durante estes 4 séculos,  eu me atrevo a trazer aqui uma adaptação ao Português actual que se fala no Século XXI:

​Vereis que o amor da Pátria não foi movido,
​Por um prémio vil, porém é Alto e quase Eterno;
​Que não é prémio vil ser conhecido
Por um pregão do ninho meu paterno.
​Ouvi: vereis o nome engrandecido
Daqueles de quem sois Senhor Supremo
E julgareis qual é mais excelente?,
​Se ser do Mundo Rei, ou de tal gente!  
---------
Portugal é Eterno... e nunca se diga Adeus para Sempre!
Silvino Potêncio
​Emigrante Transmontano em Natal/Brasil


O livro foi publicado em 1572 e Oito anos depois Luis Vaz de Camões faleceu em 10 de Junho de 1580... O Maior Poeta da Lingua Portuguesa ele se foi e disse: "MORRO COM A PÁTRIA!"  Dois meses depois, Dom Sebastião Rei de Portugal, morreu na Batalha de Alcácer Quibir e a Pátria ficou sob domínio Espanhol... 60 anos depois em 1 de Dezembro de 1640 a Pátria foi Restaurada.   
 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 10/06/2015
Alterado em 10/06/2019
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários