O tempo é ouro!... e por isso eu agradeço a todos, Amigos e Leitores, por dividirem o vosso aqui comigo. E acrescento um pensamento do meu Livro - O ouro é como o amor; mata quem o guarda e vivifica quem o dá. (Gibran Khalil Gibran)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos


De: Silvino Potêncio >  
O Carnaval da minha terra!

 
O Entrudo era assim!...
Era eu a rir de todos, e todos a rirem de mim.
Lá vinha o carro de bois,
Pelas ruas de Caravelas...
Logo atrás vinham mais dois
E as raparigas eram tão belas!!!
No corso da frente lá estava,
O espantalho vestido a rigor...
Mostrava um bacamarte e apertava
As calças sem nenhum pudor...

Fora entrudo!... Fora entrudo!...
Era  sempre uma algazarra.
A malta toda em alvoroço,
Naquele dia fazia a farra,
E corria ao lado do "corso"!
Rua abaixo, rua acima...
Era todo o ano comemorado.
A quaresma chegava nesse clima
De Carnaval arremedado!
O baile era no Terreiro,
Que fica no centro da Aldeia...
Dançava-se o tempo inteiro,
Às vezes até aparecer a Lua cheia!
 
Fora entrudo!... Fora entrudo!...
Era sempre uma grande gritaria.
A malta nova a brincar,
Lá se faziam as fantazias,
Que os Velhos deixavam usar!
 
Fora entrudo!... Fora entrudo...
Já cá estamos no Carnaval.

Viva o nosso portal CEN,
Cá Estamos Nós, neste portal.
Aqui só entra quem tem!...
Muita alegria etc e tal!!...

(in: “POESIAS SOLTAS”)
Autor: Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal – Brasil
 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 22/01/2016
Alterado em 23/01/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários