O tempo é ouro!... e por isso eu agradeço a todos, Amigos e Leitores, por dividirem o vosso aqui comigo. E acrescento um pensamento do meu Livro - O ouro é como o amor; mata quem o guarda e vivifica quem o dá. (Gibran Khalil Gibran)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos





Do  barreiro ao cansa-burros,
Ainda é uma boa estirada;
Bem assada e com dois murros,
A batata era da horta da sarnada.
 
   No musiado tinha neve,
    Que se tirava com a pá,
    Os carros vinham de leve,
     E todos se atolavam por lá!
 
Nós garotos daquele povo, f
Ali ficávamos ali d’espreita,
Púnhamos lá neve de novo,
P’ro dono nos dar a receita;
 
Quatro tostões ou ‘ua croa,
 Era p’ra quem desatolar da maleita,
  -- Pensei que a estrada era boa,
      Mas parece que foi mal feita!
 
 
... Lá no lugar do “Musiado” situado na saída da Aldeia ,na estrada que vai para Bornes,  a estrada asfaltada tinha uma baixa na recta e que, sem neve não causava qualquer problema aos carros que por lá passavam, mas com neve a coisa era bem diferente.
- Eu me lembro que naquele tempo de inverno, e quando caía neve em abundância, os carros vindos de qualquer sentido, norte ou sul, mas principalmente os que vinham de baixo da Ladeira do Cansa-Burros, eles faziam a curva  que ocultava a baixa que tinha no asfalto, em frente ao campo da bola, e ali se atolavam na neve!
Isto acontecia porque, na entrada da recta o nível da berma da estrada enganava os condutores, que se orientavam pela copa das giestas da valeta, e... como era tudo em linha recta, eles aceleravam.
 - Quanto mais aceleravam maior era o mergulho na camada de neve acumulada durante a noite em cima do alcatrão! Mas já perto dos castanheiros que havia ali dos dois lados da estrada a baixa na estrada era mais funda e prontos,  alguns lá ficavam à espera que alguém fosse lá ajudar,  e a malta nova ia
.  
- Depois de os desatolarmos, e empurrar-lhes o carro para fora da zona de perigo, nós (geralmente só a malta nova ia lá ajudar) voltávamos lá, e  colocávamos a neve de novo no mesmo lugar, para que o próximo carro que viesse se enterrar lá de novo... e assim os condutores pudessem, ou tivessem que nos repetir a gorjeta por os termos ajudado a sair de lá...
(in: CURRIÇAS DE CARAVELAS – TROVAS COMENTADAS)

Nota do Autor ; estas lembranças remontam aos anos 50 e 60 do Século XX.

 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 20/01/2017
Alterado em 17/04/2019
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários