A honestidade do homem público se reflete mais nos actos e muito menos nos factos que, tantas vezes são adulterados pela mão dos que dela se aproveitam.(Silvino Potêncio)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos


              
Dizem que sou um Auto Didacta e, de certa forma, eu aceito o epíteto em concordância contextual, contudo devo acrescentar que,  antes de eu aprender a escrever, tal como todos, eu tive que aprender a ler escritos e pensamentos de muitos outros escritores, tantos quantos eu pude, e tive tempo para os ler. Só assim hoje me sinto à vontade para criar a minha própria obra literária ao meu jeito. 
E porque este Autor aqui citado é dos meus Preferidos da Lingua Lusófona da Época Moderna Pré Contemporânea,  hoje vos deixo um pensamento dele que eu tomo como meu:
 

"Peço licença para inscrever o seu nome Amigo Leitor na primeira página desta minha Obra e livros da minha autoria. Esta fica sendo para mim a mais prestante homenagem  da obra a cada um de vós. As outras são futilidades; por que, - lágrimas e alegrias de um qualquer romance é tudo futil".
(No Minho, em 1864.  Camillo Castello-Branco)
- Ainda em alegoria semântica ao tema da tristeza tão dramáticamente perene da obra de Camilo, eu posso acrescentar: leiam os meus livros de "fique são" humorística, para depois morrerem saudáveis!
Afinal diz o povo.. Tristezas não pagam dívidas!... 
*********

Poema de Abertura do Meu Livro; POEMAS DE ANGOLA : "Eu, O Pensamento, A Rima!..." 

Quem sou eu!?

 
Eu sou!?...
Eu sou aquilo que sou,
E não aquele que querem que eu seja!
Não me importa o ângulo por onde me veja...
Foi Deus que disse; assim seja.

Eu sou aquilo que sou,
Aquilo que ninguém me fez ser...
Eu sou aquilo que sou e serei até morrer!
Foi Deus que disse; é este o Meu Querer.

Não quero ser outro qualquer,
Nem me façam ser de outro jeito...
Porque eu sou assim cá dentro do peito!
Foi Deus que disse; está feito.

Na alma e no coração...
Eu sou aquilo que eu sou,
- E disso eu não abro mão, e está encerrada a questão!
Foi Deus que disse; é este o teu condão.

Eu sou aquilo que eu sou,
Enquanto o meu ser me sustenta,
Este corpo de cor incolor quase isenta...
Foi Deus que o disse; quando me deu água benta.

Transparente a todos vós,
Trago genes dos meus avós,
Que já passei aos meus filhos,
Foi Deus que disse; aqui tens os teus cadilhos.

- Iguais serão os meus Netos!
Que vão em busca dos trilhos,
Que vivem o seu teorema,
A quem deixo este poema,
E... em herança dos meus afetos.


Eu sou aquilo que sou...
E não aquilo que fui, nem aquilo que eu quis ser.
Já esqueci o passado... sou só eu aqui ao meu lado!
Foi Deus que me fez assim moldado.

 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 30/06/2017
Alterado em 30/06/2017

Música: ANTÓNIO DOS SANTOS - Minha alma de amor sedenta - António dos Santos

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários