A cultura de um POVO não pode, não deve NUNCA!...se submeter a ideologias políticas ou partidárias! e muito menos financeiras ou económicas, pois que inspiração ou intelecto não se compra nem se vende! - É como o amor, já vem do berço! (Silvino Potêncio)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos


Alheiras de Mirandela...


(Uma Crônica de Silvino Dos Santos Potêncio
Emigrante Transmontano em Natal/Brasil)
 

Enfim!... o Xô Presidente foi a Trás os Montes e descobriu lá que a culpa disto tudo é dos Sefarditas!, dos Judeus!, dos Jesuítas!...é dos Marranos e dos  Ciganos e até parece que o PM (leia-se : Primo Monhê) também está por trás disto tudo. 
Mas,… para mal dos nossos pecados em Tras Os Montes e Alto Douro,   os maiores suspeitos são os Fabricantes de Alheiras. 
A justificativa para esta análise já vem de longe e por isso vos trago aqui a história das Alheiras de Mirandela que, na verdade,  eram e ainda são feitas nas Aldeias pelos Cristãos Novos  com muito esmero!( naquele tempo da Inquisição).
O facto  é que os Cristãos Velhos, nos dias de hoje já nem conseguem ir ó “sequeiro” para trazer uns gravetos ou até uns “CAVACOS” da silva pra fazer o lume e... sem lume, não há fogo! 
Se não há fogo, também não há fumo!. 
Por fim todos nós sabemos que, sem fumo não há Fumeiro. Portanto a conclusão do Conselho de Estado (lastimável em que se encontra o Portugal Profundo) é com certeza, culpa dos fabricantes de Alheiras!.

A origem das Alheiras: 
Segundo a tradição, este enchido terá sido criado por Cristãos Novos que, em segredo, continuavam a guardar costumes da sua renegada religião Judaica, a fim de dar a entender a toda a sociedade que eram Cristãos assumidos e bem integrados. 
Como o judaísmo proíbe o consumo da carne de porco, alguns dos supostamente recém convertidos teriam inventado um chouriço onde discretamente a carne de ave substituía a carne de porco, tradicional entre os cristãos. 
Desta forma, nas primeiras alheiras foram usadas várias carnes alternativas ao porco, tais como peru, galinha e outras aves.
Esta suposta ligação com os Cristãos Novos talvez não passe de uma ideia romântica popular, sendo que não há factos concludentes que a suportem. 
Parece mais certo que o seu aparecimento esteja ligado ao próprio ciclo de produção de fumeiros caseiros, ou simplesmente à necessidade de conservação das carnes dos diversos animais criados e para consumo próprio.
Na região de origem a norte de Portugal (Trás-os-Montes) a alheira é consumida grelhada, ou assada em lume brando, acompanhada por batata cozida com um fio de azeite, e legumes da época variados. 
Mais a sul o mais natural é encontrar os menus com a alheira frita, batatas fritas, ovo estrelado e saladas de alface e tomate. Por vezes, é também acompanhada por grelos de couve ou de nabiça. 
É uma presença habitual nas ementas dos restaurantes de todo o país.

A mais famosa das alheiras é a oriunda de Mirandela, na região de Trás-os-Montes, frequentemente considerada a de melhor qualidade, tendo sido nomeada uma das 7 Maravilhas da Gastronomia de Portugal.
No entanto também esta é uma origem da qual o fundamento é duvidoso. 
Apenas recentemente se fabricam alheiras em Mirandela e em unidades industriais. O que é normal, pois a Alheira é típica do frio e da Terra Fria, sendo que Mirandela fica na Terra Quente.

Assim como o Vinho do Porto é do Douro e o Porto era apenas o entreposto de estadia e embarque para outras paragens e mercados, assim as alheiras chegavam a Mirandela provindas das regiões mais remotas e interiores de Trás os Montes para aí serem depois comercializadas ou embarcadas em comboio para o Porto, sobretudo, e daí para o resto do país. 
As alheiras "genuínas" sempre vieram da raia norte (Vinhais) e da raia Mirandesa, sendo as primeiras e as segundas algo distintas quanto ao sabor e quantidade de fumeiro que levam.
Por tradição, os fumeiros da Raia Norte levam mais fumo e mais vinho e alho do que os fumeiros da Raia Mirandesa, mais suaves e menos temperados.
Actualmente a produção de alheiras em Mirandela é um negócio Industrial.  Quem quiser provar alheiras mais próximas do seu estado "original" e da sua essência, terá de o fazer em alguma das aldeias da Raia Norte (Bragança) ou Raia Mirandesa (Miranda do Douro).
Porém, as alheiras extrapolam actualmente o território Transmontano e produzem-se em muito mais regiões do país, e até no Estrangeiro aonde haja grandes comunidades de Emigrantes Portugueses.
Por ultimo vale lembrar que Desde 1996 que este enchido tem proteção de Especialidade Tradicional Garantida (ETG).
O novo estatuto foi autorizado pela Comissão Europeia e confirmado pelo Governo português no despacho do secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Gomes da Silva, publicado a 3 de julho 2013 em Diário da República.
A partir de Julho de 2013, a Alheira de Mirandela só pode ser produzida no Concelho de origem, uma ambição antiga dos produtores locais que se concretiza com a atribuição de Indicação Geográfica Protegida ao enchido tradicional.
No entanto a atribuição de IGP não foi registada ao nível da União Europeia, tendo o seu processo sido apresentado a 10 de março de 2011. Por este motivo da rotulagem dos produtos apenas pode constar a menção "Alheira de Mirandela IG".

A Alheira de Mirandela foi reconhecida como uma das 7 Maravilhas de Portugal - Gastronomia Portuguesa,  na categoria de Entrada, em setembro de 2011.
Deixo-vos uma quadra extraída do Meu Livro “Curriças de Caravelas –Trovas Comentadas” :

Gosto de alheiras e grelos, 
  Com batatas cozidas e azeite!...  
    E um bom vinho bem singelo, 

     Pois comer faz bem!,...  é um deleite!

Silvino Dos Santos Potêncio
Emigrante Transmontano em Natal/Brasil – Julho/2017

 



 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 27/07/2017

Música: O minha rosinha na festa de concertinas com simao e ceus alunos nas ruas de Montalegre - Desconhecido

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários