A índole de cada um de nós (BOA OU MÁ) já vem no sangue. O ambiente onde se vive, é a moldura que os homens lhe fazem ao longo do tempo! (Silvino Potêncio)
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante! (Silvino Potênci
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos




De: Silvino Potêncio>   “Ali na Beira do Cais!...”  
Ali na beira do Cais,
Onde se me soltam tantos ais...
Onde o coração me invade desta eterna saudade!...

Ali... aonde eu um dia,
Fui... sem saber aonde eu iria!...
Á procura desse instante de me tornar teu amante!...

Lá longe no meu horizonte,
Onde os raios de luz da tua fronte...
Me iluminam esta Alma, esta dor que não se acalma!...

Nem na ida nem na vinda,
A tua silhueta tão linda...
Me deixa adormecer, e muito menos esquecer!...

E sempre que vou embora,
Fico à espera dessa hora...
De voltar... p'ra te abraçar!

(in: "Poesias Soltas")
Silvino Potencio - Emigrante Transmontano em Natal (Brasil)
www.silvinopotencio.net 


 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 25/08/2017

Música: António Parreira Balada da Saudade - Desconhecido

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários