A índole de cada um de nós (BOA OU MÁ) já vem no sangue. O ambiente onde se vive, é a moldura que os homens lhe fazem ao longo do tempo! (Silvino Potêncio)
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante! (Silvino Potênci
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos



De: Silvino Potêncio
 
Os "Gambuzinos" – é uma aliteração do verbete original "gambozinos" - e é o título de um dos meus Livros (ainda não publicados)  enquadrado na série de "crônicas da emigração – catramonzeladas Literárias" que tenho escrito ao longo dos últimos anos.
Escrevemos "gambuzinos" com "u" em virtude de, fonéticamente, a pronuncia pouco ou nada tem a ver com a palavra em si... afinal; ir atrás de gambozinos é acreditar em coisas irreais, imaginárias!... só admissíveis na mente de seus autores por mais sérios ou honestos que eles possam parecer.
E, hoje, para comemorar o dia primeiro de Abril pelo antigo Calendário Ocidental da Comunidade Europeia,.... revogado pelo Calendário Gregoriano em uso desde o ano de 1564 (adoptado pelo Rei Francês Carlos IX, um verdadeiro "sarckósico" gambuzino daquele tempo...) então nós deixamos aqui uma dessas minhas crônicas...para ocupar o espaço aéreo de exclusão "xuxialista".

... iiii aatão lá bai:
 
A Direita era a Esquerda.... (001)
“ O escritor e poeta Inglês Edward Emerson ele dizia o seguinte; " Em ciências, leia as publicações mais recentes. Em literatura, as mais antigas."
Enquanto eu preparo aqui alguns ensaios para envelhecer nos cascos da casa do "Carvalho", os "Gambuzinos" que me vão sendo mostrados na midia, e na média inteligência que Deus me deu, eu gostaria de reportar aqui algumas noticias que são extremamente preocupantes.
Acabei de ler algures numa publicação regional esta noticia que retrata bem a nossa actual atenção dada – pelas autoridades médicas – aos pacientes que procuram os médicos Lusos na activa, acima do rio Douro...

"... a Ti Rosa foi ao médico e como a doença era localizada em uma das suas duas pernas, a direita, ela lá marcou então uma operação com um cirurgião, supostamente formado na universidade onde se colocam os diplomas já com o nome do titular, pomposamente escrito, embaixo em letras gordas:
"SIR URGIÃO"

Não havia motivo algum para duvidar da capacidade do tal doutor, até porque ele era um médico de PESO!...( da Régua).
Além disso nós portugueses dos tempos do antigamente, temos até um passado premiado com o tal do prémio Nó Cego da medicina, um tal do “ É gaz Moniz!”.

Dizem até que, quando o paciente perguntava a ele qual era o problema nos intestinos, ele respondia de imediato;
É gaz... e assinava, Moniz!
E isto tinha algum fundamente se nos lembrarmos que o tal ilustre premiado com o “Nó Belo” chegou a tal posto merecidamente porém!, há controvérsias... eu por exemplo sempre me baseei nesta teoria:
- quando o Moniz andava na escola de medicina para pessoas doentes, (pô!,...gente com saúde não precisa de médico!... voismecês estão aí a rir porquê???, hein!?...) ele avistou, no pátio da tal escola, um sujeito meio atarracado, com uma cintura que dava por dois pneus de formula um - os da roda de traz - que vinha todo encolhido com a mão na barriga e a gemer em altos gritos!,... ai, ai, ai!...
Nisto, o director da escola que agora já está fechada, por conveniência cultural do governo “Xuxialista”, ele chamou o Moniz e mandou-o examinar o paciente.
- O nosso pretérito candidato ao prémio “Nó Bello” em cândida atitude observatorial, e éticamente auscultatórica, ele chegou-se perto do “barril ambulante” que continuava a gemer, com os braços encostados na barriga e, perguntou-o muito sofisticadamente!;
- óh voismecê!...
- U qué que tem na sua barriga, home!?...
(a resposta veio de imediato)

 
... É Gaz Moniz!... é gás!...
E prontos, assim surgiu a primeiro estudo preparatório para ser encaminhado a escola superior de prêmios Nó Béis lá em “Esto Colmo” e eu estô calmo, ao ver que aonde os entendidos em gases humanos lhe atribuiram assim de sopetão, ao nosso médico o primeiro Nó Bello que,de tão merecido, se tornou em “Nó Cego” em medicina “gasométrica “  e ainda hoje ninguém sabe porquê.
Acreditem!... no meu código há sempre direito a controvérsias.

(Isto é literatura do passado, voltemos à ciência de hoje)

... Quando a Ti Rosa acordou da anestesia, ela gritou assustada!...
Ai minha Nossa Senhora de Cinfães do Douro,...
- voismecê "xenhô doutori" enganou-se "home de Deus"!...
Toda a minha vida tive um problema na perna direita, e o "xenhô doutori" operou-me a perna esquerda!?...
- e agora!!!!?.. hein???...
--- por detrás do biombo ouviu-se a voz da enfermeira em sussurro;
- olhe!!!,... eu disse ó "xenhô doutori" que a paciente não era xuxialista e nem sequer é do "goberno", carago!
E ela até pagou a operação com cartão de crédito da CGD que é da “direita”,... mas o "xenhô doutori" é muito “xuxialista” e só sabe operar à esquerda!,...
--- Ele insistiu que ele é que sabe,...
--- que ele é que manda!, etc e tal e coisa...
- e agora prontos, está feito!,... e pronto, já não tem remédio!...

Enquanto isso o "xenhô doutori" escrevia no relatório para o Conselho Regional do Partido as suas mais recentes impressões sobre o andamento da recuperação do sistema administrativo e de locomoção do paciente operado:
Bom, bom!,... agora vamos esperar a esquerda ficar boa para depois amputar a direita!

-Silvino Potêncio - O "home" de Caravelas - Mirandela!
Original deste texto foi escrito em 01 de Abril de 2011 e publicado em: -
http://zebico.blog.com/

Nota do editor: isto é baseado numa história verídica com base em factos "reais", em escudos, em coroas de cinco tostões!... (E em "euros" também!!!)

 
 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 05/12/2017
Alterado em 05/12/2017

Música: Guitarradas Á Portuguesa - Desconhecido

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários