A honestidade do homem público se reflete mais nos actos e muito menos nos factos que, tantas vezes são adulterados pela mão dos que dela se aproveitam.(Silvino Potêncio)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos







 


Dos muitos comentários que eu recebi em resposta ao meu "artigo" sobre o achamento, seguido da descoberta do Brasil,  homologada em 21 de Abril de 1500, eu destaco este comentário do Amigo Leitor Paulo Franco já publicado na minha página do FB...
Início de Citação:
Os dois acontecimentos são válidos, já que para o mundo civilizado, havia um desconhecimento dessas terras.
Já está um saco dessa coisa de puxar a sardinha para o lado dos indígenas.
Eles não eram donos de nada, só é dono daquilo que se ocupa, a maioria deles eram nômades e nem sequer tinham alguma cultura do que era propriedade privada!...Se o povo de esquerda afora "encher o saco" para falar de escravidão mas não mencionam que os próprios índios já escravizavam os seus inimigos...(sem falar que os esquerdistas adoram falar e destacar o lado ruim da colonização excluindo o intercâmbio cultural que os europeus absorveram dos índios e vice e versa)...Eles sempre recorrem ao mito do espelhinho e bugiganga mas o que para gentio, o que seria uma bugiganga, para eles um anzol eliminava horas de trabalho árduos da sua pescaria, um machado facilitaria e muito o seu trabalho na selva na coleta da madeira etc!.. Sem falar que o Exército Português supriu a sua falta de homens com o recrutamento dos índios/Indigenas...A Coroa com intervenções das Colonizações Jesuíticas sempre deram proteção ao indígenas mas os escravizavam, assim como também o eram os Bandeirantes , conhecidos como piratas do sertão...
Fim de Citação

Depois de mais de 50 anos na Emigração eu mesmo já presenciei mandos e desmandos por esse mundo de Deus e tenho por base de auto conhecimento, os ensinamentos de Mentes Ilustres desde a Antiguidade até aos dias de hoje; aquilo que ontem era uma utopia, amanhã, por certo, será uma realidade, ainda que virtual, mas que faz o conhecimento humano acompanhar a evolução da espécie.
Esta por sua vez depende da natureza, contudo desde que o homem se tornou um animal racional, a síndrome da superioridade prevalece sobre todos os que o rodeiam.

Silvino Dos Santos Potêncio

Emigrante Transmontano em Natal/Brasil (desde 1979)
Membro da Comissão Nacional Brasileira para a Comemoração dos 500 anos do Brasil. 

-------------------

(Letra da Musica de Fundo deste Fado: GAIVOTA) 

Se uma gaivota viesse
Trazer-me o céu de Lisboa
No desenho que fizesse
Nesse céu onde o olhar
É uma asa que não voa
Esmorece e cai no mar

Que perfeito coração
No meu peito bateria
Meu amor na tua mão

Nessa mão onde cabia
Perfeito o meu coração

Se um português marinheiro
Dos sete mares andarilho
Fosse quem sabe o primeiro
A contar-me o que inventasse
Se um olhar de novo brilho
No meu olhar se enlaçasse

Que perfeito coração
No meu peito bateria
Meu amor na tua mão
Nessa mão onde cabia
Perfeito o meu coração

Se ao dizer adeus à vida
As aves todas do céu
Me dessem a despedida
O teu olhar derradeiro
Esse olhar que era só teu
Amor que foste o primeiro

Que perfeito coração
Morreria no meu peito
Meu amor na tua mão
Nessa mão onde perfeito
Bateu o meu coração

(DATA VÊNCIA AO AUTOR ORIGINAL) 
 

 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 13/05/2018
Alterado em 22/05/2018

Música: Gaivota - Eugenia Lima

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários