A honestidade do homem público se reflete mais nos actos e muito menos nos factos que, tantas vezes são adulterados pela mão dos que dela se aproveitam.(Silvino Potêncio)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos


Fui Pastor em Trás Os Montes - Versão em Mirandês
 
 Fui pastor an Trás ls Montes

Ne l azul de la mie Tierra,
You biajei i me perdi alhá loinje ne l spácio.
Lhebei pa l´anfenito las lhembráncias de la guerra,
I buolbi para cá, culs bersos que you fago!

Subi Montes i deci Balhes,…
Era you inda un nino,
Senti las delores de tantos males,
Que you guardei cumo lhembráncia!

Nun tengo delor nin nostalgie,…
Que me cure esta grande paixon,
De buolber a la Tierra adonde un die,
You fundei la raiç de l miu coraçon!

Lhancei ancora an mar de muntanhas,
Fragosas son las piedras de l miu camino,
Cumo doces son las tues castanhas,
Cozidas, assadas ó cun tomilho!

Naquel loinjinquo magusto de las Eiras,
Miu Pai traçou la parte de l miu Çtino.
- Bai te ambora!... eiqui nun puodes ganhar la “jeira”!
Pur troca de un simple copo de bino!
Deixa quedar ls cordeiros ne l Lhameiro,
- Porque alguien ls há de guardar…
Tenta la tue suorte ne l Strangeiro,
L tou çtino, miu Filho… ye Eimigrar!...

(Outor: Silvino dos Santos Potêncio – Emigrante transmontano em Natal/Brasil – desde 1979) 

Tradução e Adaptação: Silvino Potêncio
Poema Revisado pelo Amigo José Almendra - Residente em Sendim. 


 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 01/06/2018
Alterado em 31/07/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários