A honestidade do homem público se reflete mais nos actos e muito menos nos factos que, tantas vezes são adulterados pela mão dos que dela se aproveitam.(Silvino Potêncio)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos




O tempo das "segadas"!
 

Mondadeiras do Meu Milho!...
- ai,  mondem o meu milho bem!
Tirem as ervas daninhas...
- que a Merenda já lá vem!!!
De manhã tem "mata bicho"
E o almoço é bem mais cedo...
Foi a Minha Mãe que "mo dicho"
Quando fomos Merendar em Macedo!
Na panela tinha batatas com Bacalhau...
E no avental uma côdea de Pão Centeio,
Um naco de queijo d'obelha...
Às "bezes" um chouriço assado no meio!
Uma garrafão de "binho tinto"
E uma caneca de "um quartilho"
Pra beber da "cabaça" depois da "sesta"
Enquanto se dava de mamar a um Filho!
Deitada na rama da Giesta.
Tempo de "segadas" monte acima,
Pra depois se fazerem as "malhadas"
Uma "pousada" subia por cima,
Do calor da "malhadeira"...
E outras muitas empilhadas na Eira.
"Gabelas de palha de trigo"
Cobertas com cobertor de lona,
Quando a trovoada andava na zona!
E Diziam os mais antigos...
Haja chuva e vento "Suão"
Que as geiras da "segada" ele o darão!

Para termos no Inverno o Pão do Verão!
 
(in: "POESIAS SOLTAS") 
De: Silvino Dos Santos Potêncio 
Emigrante Transmontano em Natal/Brasil 


 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 22/07/2018
Alterado em 22/07/2018

Música: Guitarradas Á Portuguesa - Desconhecido

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários