O tempo é ouro!... e por isso eu agradeço a todos, Amigos e Leitores, por dividirem o vosso aqui comigo. E acrescento um pensamento do meu Livro - O ouro é como o amor; mata quem o guarda e vivifica quem o dá. (Gibran Khalil Gibran)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos




UM POEMA DE “FIQUE São”!…
 
É uma sim, outra não!
 - As batidas do meu coração. 
Batem leve, suavemente!…
Como a Alma que ja´desce de mansinho.
Será neve!?, Será gente?!
Ou é apenas granizo a cair devagarinho!
Ao bater no meu caixão.  
- A neve não é certamente,
Porque ela não bate assim!
Só pode ser certa gente,
Que não gosta do meu Jardim. 
Batem leve, tão suavemente!
Na janela do quintal,
É cá em casa e no vizinho!
Será algum animal?...
Mas com tanto amor e carinho!
 
- A gente não é certamente,
Porque aqui neste Portugal,
Ela já está dormente, 
Pois  já padeceu tanto mal.
Tanto, tanto que já nem sente.
 
- Batem leve, leve, leve, tão suavemente.
A caminho da ida para a emigração,
Batem a porta na cara,
Para quem ama esta nação!
Batem muito em retirada,
E depois da batalha perdida!
A Bandeira desfraldada ( mas é tão triste!)
Estão todos quase sem vida! 
( refrão)
Batem leve, suavemente!…
Na tampa da minha urna,
Que de vergonha se enfurna,
A vela do meu batel sente,
Que  a noite ficou diuturna. 
É uma sim,outra não!
 - As batidas do meu coração! 
Batem de leve na minha mente,
Que me levantou a moral,
Foi assim num “de repente”,
Perdemos tudo! Tudo, tudo...
Até o bom senso!
E o amor a Portugal. 
É uma sim, outra não!
 - As batidas do meu coração!
Batem leve, levemente, infinitamente. 
Suavemente. — como pancadas de amor,
Assim até um novo sol-pôr… Ateus!
(in: "POESIAS SOLTAS" )
De: Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal/Brasil

Nota do Autor: este poema é ao mesmo tempo uma corruptela ortográfica da palavra original em Português "ficção" (fique são) e também uma glosa ao clássico eterno poema de Augusto Gil, "batem leve,levevemente como quem chama por mim" 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 04/11/2018
Alterado em 25/06/2019
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários