As Rimas do meu versejar são veredas por onde vagueia a esmo a poesia, sem rumo, sem norte, cujo azimute é apenas um mote! (Silvino Potêncio)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos



               


Portugal Parou Porquê!?... Porquê Parou Portugal!?...
Isto é uma “capicua” em lingua Portuguesa a qual me inspirou à elaboração de um texto relacionado com a politica Portuguesa já registrado com um total aproximado de 1.900 verbetes com tautograma da letra “P” de Português.   
"Provérbios Portugueses Para Politicos Publicarem, Prevaricarem, Palrarem, Postularem Publicamente Para Papalvos Populares Poderem Participar Publicamente Pelo Pobre Portugal Paneuropeu Preteritamente Pertencer Permanentemente Prostrado Perante Parlamento Pestilento... Pobre Portugal! Psitomacia Pura Postulada Por Parlamentares Para Perenizar Posicionamentos Politiqueiros Para Povo Pasmado.
Porisso Páro Para Pensar!... Portugal Parou, Porque Parou Portugal?!
Provávelmente Parou Porque Politicos Permanecem Postados Publicamente Para Proibir Provérbios Populares!
Possívelmente Pararam Parlamento Para Poderem Participar, Protestar, Proporem Posteriores Prerrogativas Pelas Paragens Pelo País Pobremente Postergado Politicamente Permanentemente, Perenemente!...
Pobre Portugal! Paraste Porquê?... Porquê Paraste?!... 

(Postado Por Potencio Porreiro Paaaaa Peródicamente!)
Actualizado em 20.12.2018 e passa agora a ter 2.000 Palavras em “P”


Publicado Parcialmente Por: > www.silvinopotencio.net

 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 20/12/2018
Alterado em 20/12/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários