A simples condição de ser Emigrante Luso, é sobretudo uma excelente maneira de exercer o condão da paciência para algum dia poder voltar ao lar aonde nascemos. (Silvino Dos Santos Potêncio)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos




Escola Velha Reformada onde funciona a Capela Funerária 
       
  Escola Nova  (desactivada) 


Uma das maiores alegrias que eu tive ao visitar a Minha Aldeia recentemente foi o reencontro com a Minha Professora Primária que deu aulas de 1955 a 1959 e me preparou para o Exame de Admissão ao Liceu Nacional de Bragança. 
Está actualmente com 90 anos de idade, mas como não usa internet ela me manda Cartas como esta:
 


A Carta da Minha Professora Primária;
– Dona Etelvina da Ressureição Fernandes
Bragança, 18 de Outubro de 2018,
- Silvino Dos Santos Potêncio – (em acróstico)
 
S ilvino, especial aluno
I mportante mensagem,tua
L embrança, gratidão, amizade
V eio recordar à tua Professora
I nteligência tinhas, mas cresceu
N a verdade sabes mostrar
O que alta felicidade
 
D e perto e de longe
O mundo sabes lidar
S em nada te alterar
 
S urpresa, foi a tua visita
A legria, gratidão trouxestes
N o mundo tens completado
T anta e grande sabedoria
O lhando para o passado
S into e vejo teu procedimento
 
P assaram sessenta anos,
O que o tempo contou,
T ua semente germinou
Ê telvina, Professora te ensinou
N a escola primária daquele tempo,
C aravelas, Bragança, Portugal
I deal força, a tua gratidão
que alta felicidade
++++++
Beijos para todos;
A professora Etelvina da Ressureição Fernandes.
----- 
Ai que saudades!... já lá vão 60 anos!... quando eu ali vivi:
 
Oh Minha Aldeia Transmontana!...
Que eu trago sempre na lembrança, 
Tu tens uma beleza tamanha,
Que guardo desde cedo ainda em criança.
***********
Nas ruas da minha aldeia, 
Aonde eu corria em pequenininho, 
Hoje eu só trago na ideia, 
De lá voltar a andar devagarinho! ... 


 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 20/12/2018
Alterado em 20/12/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários