Corrigir os nossos erros do passado, é meio caminho andado para o sucesso de cada nova obra em construção. (Silvino Dos Santos Potêncio)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos




A HISTÓRIA DOS “ AMIGOS DE PENICHE”!...
 
A Aliança da Monarquia de Portugal com a da Inglaterra já foi assinada no Século XIV e sacramentada pelo Papa com o casamento de Dom João I de Portugal com Dona Filipa de Lencastre  de Inglaterra.
-  Porém a história do dichote popular “amigos de peniche” já arreigado na mentalidade popular ele se deve a uma outra aliança com os Ingleses e se mantém até aos dias actuais quando se quer satirizar amizades falsas. Facto muito comum que muito comumente se vê nas redes sociais dos nossos dias e que eu costumo resumir em molduras mais ou menos realistas; o falso amigo ainda que virtual, é sempre o pior inimigo oculto e real.
Vendo bem, o falso amigo toma conhecimento de tudo quanto lhe confidencias porém, na prática, ele vai usar a tua amizade a seu favor sempre que tiver oportunidade e assim o entender e não importa o tipo de aliança que tenha fundado essa amizade.
Quando El Rei Dom João VI transferiu a Corte de Lisboa para o Rio de Janeiro, ele alegou a necessidade de impedir que as tropas Francesas que invadiram Portugal por três vezes, ele pediu o apoio da Monarquia Inglesa que destacou Navios com tropas para combater em Portugal os inimigos que neste caso eram os Franceses. O pedido de Dom João VI foi atendido e o desembarque aconteceu na Vila de Peniche sob o Comando do Duque de Wellington, Sir Arthur Wesllesley. As populações já estavam então invadidas pelos Franceses até à Linha de Torres Vedras e eram acalmadas pelos “Estafetas” da tropa Anglo-Lusitana com o aviso de que “Os Amigos de Peniche” estavam a caminho!... só que nesse caminhar, os Ingleses invadiam casas e propriedades para saquearem dali tudo o que fosse de útil à tropa… e também o que de mais útil as pessoas tinham para eles mesmos.
Daí a expressão “amigos de peniche” nada tem a ver com as boas gentes Portuguesas naturais desta Pitoresca Vila de Pescadores.      
 Mas… pelo que sabemos, esta vontade de os Ingleses Piratearem a Monarquia Lusa a mando disfarçado da amizade de Sua Má Jestade,  já vem do tempo dos primórdios da Aliança com Dom João IV! …
Vejamos:
Adeste Fideles – É um Hino Natalício da Autoria de D. João IV.
 Há uma Canção de Natal, o Adeste Fideles, mundialmente conhecido pelo título de Hino Português escrito e composto por El-Rei D. João IV de Portugal, a exemplo de muitas outras obras, na escola de música que fundou no Paço Ducal dos Duques de Bragança, em Vila Viçosa no Alentejo.
 
Foram encontrados dois manuscritos desta obra, datados de 1640, no Palácio Ducal de Vila Viçosa, que era propriedade dos Duques de Bragança. 
Os ingleses atribuíram, erroneamente, a autoria desse hino a John F. Wade que não pode ter composto a partitura, uma vez que o seu manuscrito está datado ulteriormente, de 1760, pelo que Wade se limitou a traduzir o Hino Português, como de resto era designado à época, tentando usurpar os louros a El-Rei Dom João IV de Portugal.
Facilmente se repõe a verdade, pois além dos dois manuscritos da obra, e que são anteriores à versão de 1760 feita por Wade, existem mais provas do talento musical d’El-Rei:
- uma é o ensaio 'Defesa da Música Moderna’, de 1649, ano em que El-Rei Dom João IV requereu a Roma a aprovação universal da música instrumental no culto da igreja católica;
- outra prova é um outro famoso trabalho musical de Dom João IV, o “Crux fideles”, uma composição ainda hoje usada nos serviços eclesiásticos, comprovando-se desta forma o virtuosismo do Rei como renomado músico.
Por isso cuidado com falsos Amigos e não importa se são Ingleses ou se são da Patagônia. Amizade é uma coisa séria e como diz o Meu Amigo António de Almeida: Amigos não se despedem, marcam encontro em outro lugar.
Silvino Dos Santos Potêncio
Emigrante Transmontano em Natal/Brasil
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 12/01/2019
Alterado em 19/01/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários