Cada poeta é um Mundo//Cada Leitor é mais um visitante. A nossa passagem pela vida é apenas uma fase Mutante. (Silvino Dos Santos Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal/Brasil desde 1979)
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos
O MAR DE OEIRAS...

 Poesias em Tercetos  da autoria de Silvino Potêncio,

O MAR DE OEIRAS!...

Oeiras, Oeiras!... Carcavelos à vista,
Sou contrabandista, desta imensa lista de Amigos Virtuais.
Saí de Lisboa, dei voltas à toa, e parei em Cascais.

Fui lá no Inferno da boca do mar.
Avistei a Barra de São Julião onde até o meu coração
Desejou voltar, para ver e amar!

Em mais um terceto deste meu soneto,
De rimas sem mote, porque o nosso bote viaja sem leme.
Sem rumo sem força, desta nossa mossa que doi e não teme.

Não marca nem mancha, o dom desta prancha.
Que eu levo p´ro mar, pois vou navegar.
No mundo dos sonhos, que é o meu cantar!

E lá no Estoril, do Monte ao barril,
Se faz o teu néctar, da flor dos encantos,
De gritos e prantos deste azul anil...te deixo em prantos.

Que no final da tarde, por dentro e por fora...
Me queimam no peito, e por este jeito, eu já vou embora!!!
Deste mar de Oeiras... vou... sem eira, nem beira!

Silvino Potencio (in: Poesias Soltas - verão de 1990)

Nota de Rodapé; estes meus versos foram publicados no site do Saudoso Amigo Coronel Joaquim Evônio, Poeta, Escritor Co-Autor de Grades de Papel.
O site "Varanda das Estrelicias" foi pirateado após a morte de Joaquim Evônio e por isso eu fiz aqui a actualização na minha página Literária!  
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 06/09/2010
Alterado em 29/06/2020
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários