Cada poeta é um Mundo//Cada Leitor é mais um visitante. A nossa passagem pela vida é apenas uma fase Mutante. (Silvino Dos Santos Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal/Brasil desde 1979)
Silvino Potêncio - Emigrante Transmontano em Natal
Escrevemos hoje as nossas alegrias para aliviar as dores de um passado já distante!(SilvinoPotêncio)
Textos
A Justiça da Burra Russa!... 
 

De: Silvino Potêncio – Autor de:  “OS GAMBUZINOS”!
 
Uma Carta Aberta ao Amigo Dr. Nuno Tavares – com a nossa análise “in loco” ao assunto: Fez-se Justiça em Portugal, finalmente...
 
Ao recebermos aqui esta carta do nosso ilustre Amigo, não podíamos deixar de lhe contestar (entenda-se: “con testar”  é uma forma de utilizar a testa!) e, por isso, eu peço a sua/vossa suada atenção para a nossa resposta aqui embaixo (in fine).
............................................................................................
Data: 21 de Outubro de 2010 23:27
Assunto: Fez-se Justiça em Portugal, finalmente...

 

*A justiça portuguesa está de parabéns!

* Depois de anos e anos a batalhar, eis que surgem os primeiros resultados.
 Desde a morte de Francisco Sá Carneiro e do eterno mistério que a rodeia, foram resolvidos vários mistérios que enumeramos a seguir com sentenças aplicadas e em tramitação:  
· Ao desaparecimento de Madeleine McCann,
· Ao caso Casa Pia
· Do caso Portucale
· Da compra dos submarinos
· Às escutas ao primeiro-ministro
· Do caso da Universidade Independente
· Ao caso da Universidade Moderna
· Do Futebol Clube do Porto
· Ao Sport Lisboa Benfica
· Da corrupção dos árbitros
· À corrupção dos autarcas
· De Fátima Felgueiras
· A Isaltino Morais
· Da Braga parques
· Ao grande empresário Bibi
· Das queixas tardias de Catalina Pestana
· Às de João Cravinho
· Dos doentes infectados por acidente e negligência de Leonor Beleza com o vírus da sida.
. Do processo Costa Freire / Zeze Beleza, quem não se lembra ?
· Do miúdo electrocutado no semáforo
·-- Do outro afogado num parque aquático
·--- Das crianças assassinadas na Madeira
· ---Do mistério dos crimes imputados ao padre Frederico
·--- Do autarca alentejano queimado no seu carro e cuja cabeça foi roubada do Instituto de Medicina Legal
·--- A miúda desaparecida em Figueira
·-- Todas as crianças desaparecidas antes dela, quem as procurou
·-- As famosas fotografias de Teresa Costa Macedo. -Aquelas em que ela reconheceu de imensa gente 'importante', a jogadores de futebol, a milionários, políticos etc e tal e coisa.
·- Os crimes de evasão fiscal de Artur Albarran
·- Os negócios escuros do grupo Carlyle do senhor Carlucci em Portugal.
·-- O mesmo grupo Carlyle onde labora o ex-ministro Martins da Cruz, apeado por causa de um pequeno crime sem importância, o da cunha para a sua filha.
·-- E aquele médico do Hospital de Santa Maria, suspeito de ter assassinado doentes por negligência, quem não se lembra dos casos BPN,BPP...
--Pois é... a justiça portuguesa está de Parabéns!
Depois de anos e anos a batalhar eis que surgem aqui os primeiros resultados... énapaaaaaa!  

 
MULTADO POR GUIAR BURRA EMBRIAGADO

O agricultor que há uma semana foi apanhado a conduzir embriagado uma carroça puxada por um burra, na EN 17, em Celorico da Beira, foi ontem, quinta-feira, condenado, em processo sumário, a pagar 450 euros de multa. Pena pode ser substituída por trabalho comunitário, (Pois este sr. trabalha e não vive com qualquer subsidio do governo)
Jorge Rodrigues, de 34 anos, agricultor, foi condenado pelo Tribunal Judicial de Celorico da Beira, neste caso, a juíza Cláudia Jesus, que considerou "muito grave" o crime pelo qual o agricultor ia acusado, aconselhou-o a nunca pegar num veículo, seja ele a motor ou de tracção animal, depois de ter bebido, condenou um homem apanhado com uma taxa de álcool no san.uma pena de 90 dias de multa, à razão de cinco euros por dia, por ter sido apanhado a 11 de Agosto a conduzir o veículo de tracçãoanimal com uma taxa de alcoolemia de 2,85 g/l no sangue.
O valor mínimo da multa aplicada, que totaliza 450 euros, teve em conta, segundo a juíza de turno que ditou a sentença, a situação social do arguido e o facto de ser primário. Foi-lhe ainda aplicada, como pena acessória, a inibição de conduzir qualquer veículomotorizadopor um período de sete meses.
A pena exclui a proibição de o arguido guiar a carroça puxada pela burra, o meio de transporte que mais utiliza, pese embora ter licença, segundo o próprio, para conduzir tractores e motociclos." Venda a burra se ela for uma tentação", desafiou
Até que enfim.... e em temporecorde 8 dias depois julgado e condenado !!!!... YEAAAAAAAAH!...
Agora sim, sinto-me mais seguro !
.........................................................

Meu Caro Amigo Dr. Nuno Tavares!...
 
È com imensa satisfação que eu registro aqui esta sua empolgante retórica sobre o desempenho (uma forma do verbo des empenhar, que é igual a tirar qualquer coisa do penhor!...) da Justiça Portuguesa que, como todos sabemos, até mesmo cá na Emigrantada... ela é cega, surda,  e muitas vezes muda!
 - Ela muda muito de região para região, de pessoa para animal,... e de animal burro para animal inteligente!!!... enfim, o raciocínio lógico, só é lógico quando alguém sabe dizer o que é a lógica nos dias actuais.
A nossa "sastifação" pessoal é bem maior devido ao facto de que, no passado longíquo lá p'rás bandas da minha "santa terrinha" (desculpe a forma apocopada como eu escrevo certos verbetes, mas... em tempo de crise temos que economizar até nas letras, princialmente se forem "letras de câmbio" ou ao portador) bem... mas,...  dizíamos nós que,... se passou connosco um episódio deveras insólito, injustiçável, inexplicável,  também com a nossa saudosa "Burra Russa" que era - naquele tempo - o nosso único meio de transporte colectivo familiar.
Deixe-me explicar-lhe aqui, por favor, o que é que nós entendemos por transporte colectivo familiar naquele tempo!
Tal como deve estar lembrado, no tempo da outra "xeñora" cujo nome não me vem à memória agora neste momento, lá na minha casa da Aldeia de Caravelas (melhor dizendo na casa da Família do Ti Zé Artúrio) tinhamos uma Burra Russa!  e... por favor não pense que éramos comunistas!?... não Senhor!... só a Burra é que era Russa, porque tinha cor de burro a fugir!
- E foi quando então num dia de inverno, salvo erro a um Sábado... a nossa Mãe, me mandou botar a albarda nela (na Burra, claro!...) para ir levar a merenda aos meus irmãos que andavam em Mirandela a apanhar a azeitona para um Senhor Doutor que tinha lá uns olivais muito grandes. Naquele tempo eu ainda não andava à escola e pensava que as azeitonas vinham do lagar, ou das "azeitoneiras", mas nesse dia eu descobri que elas vinham das "Oh liveiras" mas... deixemos esta explicação científica para outra altura.
Agora vamos aos factos, que de facto e sem fato, mas com calça e camisa eu aqui declaro: ... Eu era garoto, e minha mãe me mandou de Caravelas a Mirandela levar a merenda dos meus irmãos que andavam a trabalhar na apanha da azeitona. Foi em pleno mês de Janeiro com uma temperatura divinal de uns 5 ou 6 graus à sombra... porque no Inverno é raro o Sol aparecer, antes das 10 horas da manhã... e assim foi!... 
Partimos do Largo em frente ao Adro da Igreja - eu, e mais uns 4 ou 5 garotos,  todos a cavalo dos respectivos Jericos, porque lá nos azeitonais, ou olivais, trabalhavam outras pessoas das demais famílias Aldeãs – e lá partimos com os alforges dependurados na garupa... que é a parte do lombo da Burra.
- A ladeira, lógicamente, ela era a descer p’ra lá... e a subir p’ra cá, claro!... E na ida p’ra lá ,nós chegamos então mais ou menos em ritmo de "fórmula Um"... atrás do outro!...ao entrar no Curral em Mirandela.

Íamos com os cabrestos completamente fora de embreagem,... e com os motores a darem ratés por dá cá aquela palha - que era o alimento combustível preferido da “escuadria” jumental da nossa equipa de condutores dos Jericos de  Caravelas naquela época!
Na volta para casa, enfrentámos a subida da ladeira da Freixedinha, e num
planalto de uns 500 metros de extensão, aproveitámos para disputar a corrida do dia,  e...  lá pelas tantas a minha Jegue - (era fêmea) começou a falhar do carburador. 

- Eu fiz sinal para a esquerda e encostei-a a ela no estacionamento do lado direito... p’ra deixar passar quem vinha na rectaguarda.
Ela - a Burra Russa - coitada, estava já a botar espuma pela boca, começou a cambalear de lado,... (*) e eu a cavalo dela!, contudo ainda teve alento para comer umas espigas de arçã na beira do caminho.

- Eu dei-lhe mais umas jasteiradas para ver se me aproximava do último colocado que acabara de me ultrapassar, na subida da ladeira mas,... não deu certo!
Ela - a Burra Russa - coitada, desabou das 4 patas de uma vez só!,...E  em jeito de despedida  virou-se para mim com o olho já meio revirado e disse:

--- ó páaaa!, desculpa lá mas, eu fico por aqui mesmo... E morreu!
Só anos mais tarde eu descobri que a burra tinha tido uma síncope burrical fulminante!
Assim  morreu a minha “burra russa” no caminho de Mirandela, e eu a cavalo dela!!!...Qualquer semelhança com a realidade é pura verdade!

- Dos garotos da minha idade, que me acompanharam nessa triste viagem a Mirandela, onde perdi a minha “burra russa”, espero eu que algum se lembre de testemunhar tudo isto que aconteceu,  quando ouvirem alguma coisa a respeito do julgamento que eu, certamente, terei que prestar contas à Justiça, algum dia...
- Sim!... porque a justiça não prescreve. Ela se escreve depois de cada julgamento havido em “acordão”!!!...
Termino pois esta minha narrativa e deixo-lhe um grande e Fraterno Abraço! Dr Nuno Tavares.
 
Nota do Autor: (*) Os estudiosos da matéria “falar em Mirandelês”  devem consultar o Livro do Dr Jorge Lage "O Mirandelês", afim de entenderem porque se diz lá na região... "andar de lado c’mós de Caravelas"!. 
 
 -Silvino Potêncio - O "home" de Caravelas - Mirandela!
Publicado em:
http://osgambuzinos.blog.com


 
Silvino Potêncio
Enviado por Silvino Potêncio em 22/10/2010
Alterado em 02/06/2015
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários